Ele Precisa Renascer?! – Aniversário de Kardec

No três de outubro, nosso olhar novamente a ele se volta, com relativo saudosismo.

Ele é como aquele amigo, com quem tanto tempo convivemos e que deixa suas marcas em nós, quando se vai.

Tudo o que fazemos, aquilo que visualizamos, cada letra, cada página, está associado à personalidade ímpar do homem que empreendeu hercúleo e solitário esforço para legar à Humanidade uma perspectiva nova de encarar a vida, o passado e o porvir.

Da sua observação de fatos e fenômenos

Nasceu a interpretação lógico-racional das causas, a partir dos efeitos, compondo um sistema que se valia de princípios fundamentais e que permitia entender melhor o homem, a partir da lente que o apresentava como espírito, imortal, senhor de si, dotado da consciência de si mesmo e do livre-arbítrio.

Não mais as prescrições religiosas sobre seu destino, incerto.

Não mais o poder divino-temporal de autoridades eleitas ou reconhecidas, capazes de ser-lhe os únicos caminhos para a redenção ou a paz.

Não mais a perspectiva de granjear, no futuro, posição melhor, pela utilização de valores materiais na pavimentação de tal estrada de acesso.

Não mais temor, culpa, salvação. Apenas, merecimento, crença em si e oportunidades, tantas quantas possíveis e necessárias.

Imagino Kardec observando o que é dito em “seu” nome, ou em nome da Doutrina Espírita, hoje em dia

Pareço ver-lhe com o semblante carregado, até entristecido, por ver tanta dificuldade de compreensão daqueles princípios, e pela insistência em aglutinar, sob a bandeira da fé espírita-cristã, tantos adereços e complementos que são bastante naturais em ideologias-irmãs, erigidas sobre o pensamento atribuído ao Homem de Nazaré.

Chego a perceber, ainda, talvez, um desejo sincero de poder volver à carne, quem sabe neste imenso país sul-americano, para reunir em torno de si muitos dos que escutaram e aquiesceram ante o chamado da mudança, mas que se veêm limitados diante de tantas imposições e padronizações que pertencem, tão-somente, ao universo das associações humanas.

Talvez ele se recorde de que, com sua antevisão, previu que estaríamos, os espíritas, envoltos em cismas, sobretudo pela impossibilidade de ouvir, um ao outro, e de buscar um consenso possível, entre as similitudes de entendimento ou interpretação dos postulados espiritistas.

Ou, em algumas dissertações, disse que não seria necessário, ao adepto interessado da doutrina, que ele abandonasse suas crenças pessoais ou, até, a sua própria religião.

E, ainda, estabeleceu um cronograma de evolutividade da própria Filosofia Espírita, na forma de períodos, enquadrando o atual como o “religioso”.

E nós, ainda, permanecemos cuidando de pequenas rebarbas, de detalhes interpretativos quase que insignificantes, volvendo nossas atenções para as diferenças que nos distanciam, sem preferir um caminho ou uma ponte que nos aproxime enquanto partidários dos ideais de espiritualidade superior contidos nas obras que ele nos legou, a partir de colóquios sensatos com as Inteligências Invisíveis.

Há quem deseje, de coração aberto, o retorno de Rivail às hostes espiritistas para corrigir alguns percursos ou estabelecer novas diretrizes de organização material às entidades que congregam os partidários do Espírito Verdade.

Projetam, talvez, que ele, ao retornar, pudesse fazer novas “viagens espíritas”, publicar uma revigorada “Revue Spirite”, o seu laboratório, e se utilizar da ampla gama de recursos tecnológicos de ponta para alcançar a universalidade dos seres encarnados neste planeta, numa linguagem cativante, de esperança e de despertamento.

Ele precisa renascer!

Talvez, não como alguns imaginam, em uma encarnação que seus mentores haviam dito que ele teria, para “continuar a obra”.

Um novo nome, uma nova identidade, em personalidade humana que seria reconhecida por seus feitos, atuais, repaginados à altura da contemporaneidade, logo de pronto associada àquela do Professor Francês.

Kardec precisa renascer, sim!

Mas, em ESPÍRITO, em nós, seus adeptos e continuadores, para que seja, de fato, a inspiração para a retomada da trajetória de real INFLUENCIAÇÃO sobre os homens que estão encarnados neste orbe. Afinal, já tarda a oportunidade, o galo já cantou as três vezes, já se foi a undécima hora; os bons precisam assumir a predominância (“O livro dos espíritos”, questão 932)!

Natural do Rio de Janeiro (RJ) e radicado há muitos anos em Florianópolis (SC), Marcelo Henrique se tornou espírita em 1981, vindo do catolicismo. É Secretário Executivo da Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo (ABRADE) e presidente da Associação dos Divulgadores do Espiritismo de Santa Catarina (ADE-SC), assim como do Centro Cultural Espírita Herculano Pires, em São José (SC). Também é delegado da Confederação Espírita Pan-Americana (CEPA), associado da Associação Brasileira de Amigos e Delegados da CEPA (CEPA-Brasil), do Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CP-Doc) e da Associação de Estudos e Pesquisas Espíritas da Paraíba (ASSEPE). Atua, ainda, como representante da ABRADE, no Fórum das Entidades Especializadas de Âmbito Nacional, junto à Federação Espírita Brasileira. É Editor-Chefe da Revista Espírita HARMONIA, um periódico eletrônico e, como escritor e articulista, tem artigos e pesquisas em diversos sites, assim como é autor de “Túnel de Relacionamentos” (Ed. EME) e “Alteridade: a diferença que soma” (Ed. INEDE).

One Reply to “Ele Precisa Renascer?! – Aniversário de Kardec”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.