Mais Que um Sorriso…

Dias antes eu havia telefonado a eles.

A encomenda havia chegado.

Meu amigo distante havia me avisado que estavam a caminho, e eu, ao receber o pacote, tratei de combinar com D. Carmem para a entrega.

E o dia chegou!

Aprontei-me com entusiasmo e, em mim, não cabiam os sorrisos.

Poderia ser mais uma visita, comum, igual a todas as outras que há anos ocorrem e perdem-se no tempo.

Não era.

O motivo era único e minhas mãos, seguras de tantos anos e muitas experiências, manifestava expectativa, um pouco trêmulas e com alguma sudorese.

Toquei a campainha e ele me recebeu com um terno olhar.

Abraços, sorrisos.

Curioso e atento como sempre – e isto o peso dos anos não obnubilava – perguntou-me sobre o curioso embrulho que eu carregava.

Eu havia pedido à esposa que nada dissesse a ele, para termos a sensação do inesperado, a surpresa…

Logo, ela chegou e se juntou a nós, com expressão de felicidade.

Conversamos um pouco, e o pacote ficou sobre a mesa. Nos fitando, pacientemente. Até que eu resolvi tocar no assunto.

Disse ao Professor que aquilo era um presente.

Que a encomenda tinha vindo de longe e que os amigos que a enviaram estavam muito felizes em poder fazer chegar-lhe às mãos. Entreguei-lhe o pacote e ele, cuidadosamente foi desfazendo as fitas e descerrando a embalagem.

Logo de cara, a capa do primeiro livro provocou-lhe uma expressão de admiração e encanto. Quase como pegar, pela vez primeira, o filho em seus braços. Aconchegou-lhe ao peito e nos olhou, ternamente… E falou: –

Olha, Carmem! É a minha tradução de “A Gênese”! Veja que bela apresentação, fizeram.

E folheou, percebendo o capricho na apresentação.

Mais que um sorriso

Leu os primeiros textos, a apresentação da obra, com olhos levemente marejados, enquanto eu e ela, expectadoras silentes e comovidas, contemplávamos com doçura aquele inesquecível e único momento.

De súbito ele olhou para o alto da sala, parecendo fitar o infinito e agradeceu pela oportunidade de servir.

Quantas milhares de criaturas poderiam, a partir de agora, conhecer um pouco mais e verdadeiramente a mensagem daquele precioso livro, o último do Professor Allan Kardec. Ficamos, ainda, algum tempo juntos.

Ele relembrando das muitas “disputas”, das “contendas” com os “espíritas religiosos” e suas manias, crendices e dogmas. Vez por outra sua voz se tornava mais firme e incisiva, como daquela vez em que ele me disse: – Esses jesuítas infiltrados na doutrina querem acabar com o Espiritismo!

A tarde caía e era preciso me despedir. Não sem antes, para minha alegria e a deles, registrar aquele solene momento num par de fotos.

O criador e sua criatura. O livro e seu estudioso tradutor. Dali para a posteridade. Para o verdadeiro resgate da memória, do pensamento e dos exemplos de um grande homem. Pensei comigo, e expressei:

– Obrigado, Professor Imbassahy! Um abraço, um beijo de pai e a despedida.

Até breve!

Até outro memorável encontro!

No espelho de meu rosto, mais que um sorriso… Para Belvedere Bruno, a “mensageira”.

 

One Reply to “Mais Que um Sorriso…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.